O avião privado que levou Ashoka Mukpo, o repórter de imagem da NBC News que contraiu Ébola na Libéria, aterrou esta segunda-feira em Omaha. À sua espera estava uma equipa especializada, com fatos de proteção, e uma ambulância para transportar o paciente para o hospital de Nebraska.

Tinha sido confirmado quinta-feira passada que o repórter de imagem, contratado para reforçar a equipa de reportagem na Libéria, foi contagiado com o vírus Ébola. Pediu logo o apoio dos Médicos Sem Fronteiras e foi repatriado para os EUA esta segunda-feira.

Dr. Thomas Frieden, diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), afirmou que a sua agência iria trabalhar com o hospital de Nebraska, que já tratou recentemente outro paciente de Ébola.

Mukpo foi internado na unidade especial de isolamento do hospital de Omaha, criada em 2005. Já é o segundo paciente com Ébola que o hospital trata. Rick Sacra, o médico missionário também infetado na Libéria e que ali foi tratado, foi o primeiro paciente e recebeu alta no final de setembro.

Rick Sacra voltou a ser admitido no centro médico em Worcester, Massachusetts, no sábado. Sacra queixava-se de tosse e febre, por isso foi colocado em isolamento. No domingo, os resultados das análises do CDC indicaram que não tinha Ébola.

Enquanto isso, «o paciente Thomas Eric Duncan permanece em estado crítico», disse Frieden. Duncan chegou aos EUA no dia 20 de setembro, encontra-se no hospital de Dallas e foi o primeiro paciente a ser diagnosticado em solo americano.