A subida do nível da água do mar vai ser pior do que o previsto há seis anos, ameaçando milhões de vidas, estimam os autores de um documento que a Organização das Nações Unidas (ONU) deve divulgar na sexta-feira.

No relatório do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em Inglês) é feita a previsão de que o nível do mar vai subir entre 26 e 82 centímetros até 2100, segundo o texto a que a AFP teve acesso.

As estimativas, se forem adotadas no documento final a divulgar em Estocolmo, ultrapassam as projeções feitas por este grupo de cientistas, vencedor do Prémio Nobel em 2007, que previu há seis anos uma subida entre 18 e 29 centímetros.

Os números respeitam aos cenários mais otimista e mais pessimista que enquadram as discussões de política para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

O aumento do nível do mar é, potencialmente, um dos maiores problemas das alterações climáticas.

A subida das águas marítimas «come» silenciosamente terras valiosas e ameaça fazer desaparecer nações localizadas em ilhas com pouca elevação, como as Maldivas, onde o ponto mais elevado acima da água se situa nos 1,5 metros.

Expõe também as cidades a tempestades acrescidas, como foi evidenciado de forma catastrófica em 2012, quando partes de Nova Iorque e Nova Jérsia foram destruídas pela tempestade tropical Sandy.

O IPCC está reunido em Estocolmo para apreciar o relatório do grupo de trabalho I sobre a base científica das alterações climáticas, no caso a Física, entre 23 e 26 de setembro.

No final será dada uma conferência de imprensa, na sexta-feira, dia 27, às 10:00 locais (09:00 de Lisboa).