Mais de 14 mil pessoas refugiram-se no Chade desde o início do ano, fugindo da violência dos guerrilheiros do Boko Haram no nordeste da Nigéria, quantificou esta quarta-feira a Organização das Nações Unidas (ONU).

A informação foi divulgada pelo Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla em Inglês) da ONU, em relatório divulgado esta quarta-feira.

«Mais de 14 mil pessoas chegaram [ao Chade] da Nigéria desde o início do ano 2015. As chegadas continuam, a um ritmo de 774 pessoas por dia», pormenorizou-se no documento.

«A comunidade humanitária estima que sé de prever mais afluxos suplementares de população, devido ao recrudescimento dos ataques do Boko Haram no norte da Nigéria, bem como de possíveis tensões em torno das eleições» na Nigéria, acrescentou-se no relatório, que antecipou «30 mil refugiados no Chade em 2015».

O Boko Haram multiplicou os ataques no nordeste da Nigéria desde o início do ano.

Estes guerrilheiros assumiram o controlo da cidade de Monguno e da sua base militar, nas proximidades no Lago Chade, no nordeste da Nigéria, depois de violentos combates com o exército nigeriano.

O Chade, que apelou à formação de uma grande coligação dos países da região contra o Boko Haram, colocou efetivos militares nas suas fronteiras e também enviou bum contingente para os Camarões.

O chefe de Estado chadiano, Idriss Deby, já afirmou que quer expulsar o Boko Haram da cidade estratégica de Baga, situada perto do Lago Chade, no nordeste da Nigéria.

A violência da insurreição do Boko Haram e da sua repressão pelas forças armadas nigerianas já causaram mais de 13 mil mortes desde 2009 e perto de 1,5 milhões de refugiados e deslocados.