A lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de droga e outras formas de crime organizado atinge os 538 mil milhões de euros à escala mundial, estimou hoje o diretor da agência anticrime da ONU em Bogotá, Bo Mathiasen.

Ao participar num fórum organizado no dia dedicado à prevenção da lavagem de ativos promovido pela agência da Organização das Nações Unidas contra a droga e o crime (UNODC, na sigla em Inglês), Mathiasen reconheceu que o problema é um enorme desafio para a sociedade.

«É um desafio muito grande. Os números são muito elevados, muito grandes. Estamos a falar de 320 mil milhões de dólares (232 mil milhões de euros), se nos referirmos apenas às receitas do tráfico de droga, mas falamos de 740 mil milhões de dólares (538 mil milhões de euros) quando tratamos do crime organizado transnacional, a nível mundial», afirmou Mathiasen a jornalistas.

A lavagem de ativos provenientes de atividades criminosas vai para lá do tráfico de droga e inclui outros ilícitos, como corrupção, tráfico de pessoas, tráfico de armas, extorsão, sequestro e contrabando.

O representante da ONU considerou que é muito importante organizar uma resposta contundente contra os geradores da lavagem de ativos e os criminosos que se aproveitam deste delito específico.