Os crimes ambientais geram cerca de 156 mil milhões de euros por ano e contribuem para o financiamento de grupos terroristas que ameaçam a segurança e o desenvolvimento dos países. Esta é a conclusão de um relatório da ONU e da Interpol publicado esta terça-feira.

De acordo com os dados revelados, e citados pela AFP, o tráfico de carvão gera entre 27 a 41 milhões de euros por ano que são usados por islamitas ligados à Al-Qaeda. O documento aponta ainda o comércio do marfim como a principal fonte de vários grupos rebeldes que atuam no Uganda, na República Centro-Africana e no Sudão.

«Além dos danos ambientais imediatos, o tráfico de recursos naturais retiram milhares de euros às economias em desenvolvimento para encher os bolsos dos criminosos», refere Achim Steiner, diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP).

Apesar de uma maior consciencialização, as respostas ao problema que existem atualmente são insuficientes face o crescimento das ameaças, de acordo com a ONU.

O documento foi publicado no segundo dia da primeira assembleia da ONU para o meio ambiente que decorre em Nairobi, no Quénia, até 27 de Junho.