refugiado

“Sim, há uma diferença e isso importa. Os dois termos têm significados diferentes e distintos e confundi-los leva a problemas para ambas as populações”, refere um texto divulgado na página oficial na internet daquela agência da ONU, assinado por Adrian Edwards.




conflitos armados

“A sua situação é tão perigosa e intolerável que atravessam com frequência as fronteiras nacionais à procura de segurança em países vizinhos e ficaram internacionalmente reconhecidos como ‘refugiados’ com acesso a assistência dos Estados”, explica Adrian Edwards.



“Para aquelas pessoas a negação de asilo tem consequência potencialmente mortais”, sublinha.










“Confundir refugiados e migrantes pode ter consequências graves para vida e segurança dos refugiados. Esbater os dois termos desvia a atenção das proteções legais que os refugiados necessitam”, refere Adrian Edwards.





“A maioria das pessoas que está a chegar este ano a Itália e à Grécia são provenientes de países em guerra (…) para quem é necessária proteção internacional. No entanto, uma pequena parte é de outro lugar e para muitas daquelas pessoas o termo migrante será o correto”, explica.