A ONU prevê fazer entrar na segunda-feira a ajuda humanitária em Ghouta Oriental, enclave de rebeldes opositores ao regime sírio de Bashar al-Assad, que tem sido fustigado por bombardeamentos mortíferos nos últimos 15 dias, foi hoje anunciado.

Em comunicado emitido depois da reunião do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU, a organização internacional refere que as Nações Unidas "e os seus parceiros preveem realizar a ajuda humanitária em Douma, na Ghouta Oriental, a 05 de março".

"Um comboio de 46 camiões, que transportam medicamentos e alimentos para 27.500 pessoas" deverá entrar no enclave, às portas de Damasco, capital da Síria, refere-se no comunicado.

A ONU acrescentou que as "equipas no terreno estarão prontas a fazer o necessário para que a ajuda chegue" à população de Ghouta Oriental, sitiada no enclave desde 2013.

O coordenador da ONU para as questões humanitárias na Síria, Ali al-Zaatari, que viajará na cabeça do comboio, manifestou o desejo de que a operação de segunda-feira, que visa acorrer a graves carências de alimentos e medicamentos, seja "seguida de outras mais".

O comboio de ajuda humanitária a uma população que se aproxima das 400.000 pessoas entrará em Ghouta Oriental durante as cinco horas de cessar-fogo diárias, por um período de 30 dias em toda a Síria, estabelecidas pela resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, na terça-feira.

A ONU, que prevê realizar outra ação na quinta-feira, disse ter já recebido "as autorizações" para desencadear a ajuda humanitária "a 70.000 pessoas" no enclave, que, nos últimos 15 dias, foi bombardeado, pela força aérea e pela artilharia, provocando a morte a mais de 650 civis, entre os quais mulheres e crianças.