Dois polícias afegãos, que abriram fogo por erro contra uma patrulha das forças de segurança afegãs e internacionais no nordeste de Cabul, foram mortos nos confrontos que se seguiram, indicou a coligação em comunicado.

O incidente aconteceu sexta-feira à noite durante uma patrulha dos soldados das forças especiais afegãs e da coligação sob comando norte-americano no distrito de Tagab, da província de Kapisa, cerca de 60 quilómetros a nordeste da capital.

Os soldados encontraram indivíduos armados perto de um posto de controlo da polícia.

«Suspeitando que se podiam tratar de polícias afegãos, os soldados tentaram por vários métodos que se identificassem como aliados, pedindo inclusive a um intérprete que falasse em pachto aos homens armados, mas estes abriram fogo», explicou a coligação.

«Os soldados responderam em legítima defesa, matando duas pessoas. O responsável local da polícia confirmou mais tarde que dois polícias foram mortos nos confrontos», acrescentou, precisando que um inquérito foi aberto.

As forças estrangeiras no Afeganistão provocam regularmente a morte de civis nos seus combates ou nos seus bombardeamentos contra rebeldes, mas os tiros amigos que fazem vítimas entre as forças aliadas são mais raros.

A 10 de Dezembro de 2008, seis polícias e um civil foram mortos num bombardeamento das forças norte-americanas que visou os talibãs mas que atingiu um posto de polícia no Sul do Afeganistão.

As violências rebeldes afegãos, entre os quais os talibãs, afastados do poder no fim de 2001, por uma coligação liderada pelos Estados Unidos, redobraram de intensidade nos últimos dois anos apesar da presença no país de cerca de 70.000 soldados estrangeiros.