Clima: grandes fortunas acusadas de influenciarem negociações

Nos EUA os principais magnatas bloqueiam as políticas ambientais, diz a organização não-governamental FIG

Por: tvi24 / LF    |   4 de Dezembro de 2012 às 14:15
A organização não-governamental Fórum Internacional sobre a Globalização (FIG) acusou esta terça-feira as grandes fortunas de influenciarem as negociações sobre as alterações climáticas. O exemplo dado foi claro: nos EUA os principais magnatas bloqueiam as políticas ambientais.

«A concentração extrema de poder contribui para o bloqueio das negociações sobre alterações climáticas», disse em conferência de imprensa o diretor executivo do FIG, Victor Menotti, quando apresentava um relatório sobre o tema em Doha, onde até sexta-feira decorre a conferência sobre alterações climáticas da ONU, escreve a Lusa.

No estudo, a ONG acusa os principais milionários norte-americanos de serem responsáveis pelo bloqueio das medidas sobre o clima nos Estados Unidos.

O FIG é uma associação de 60 ativistas, intelectuais, economistas, investigadores e escritores que representam 60 organizações de 25 países e visa chamar a atenção para o problema da globalização económica.

Menotti sublinhou que os «EUA são considerados o maior obstáculo a compromissos multilaterais significativos para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa que causam perigosas alterações climáticas».

O relatório refere-se, em particular, aos empresários Charles e David Koch, proprietários do grupo Koch Industries, que têm grande influência na política climática do país e que, segundo FIG, têm contribuído para paralisar as negociações na ONU.

O mesmo estudo explica como os Koch têm contribuído para travar qualquer avanço significativo na política climática dos EUA.

O documento do FIG surge depois de, na conferência do clima do ano passado, a organização ter dado a conhecer as 50 pessoas mais ricas e que mais investem em combustíveis fósseis.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Coração de gelo
Coração de gelo
COMENTÁRIOS

PUB
José Sócrates já está no Campus da Justiça

Eram 08:35 quando o ex-primeiro ministro regressou ao Campus da Justiça, de onde tinha saído sábado à noite, após cinco horas no local e após ser identificado pelo juiz Carlos Alexandre. Hoje deverá ser inquirido pelo magistrado. Sócrates chegou ao Comando Metropolitano da PSP de Lisboa às 22:26 e passou a segunda noite detido. Recorde-se que foi detido na sexta-feira no aeroporto de Lisboa quando chegava de Paris. É suspeito de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção