Clima: grandes fortunas acusadas de influenciarem negociações

Nos EUA os principais magnatas bloqueiam as políticas ambientais, diz a organização não-governamental FIG

Por: tvi24 / LF    |   4 de Dezembro de 2012 às 14:15
A organização não-governamental Fórum Internacional sobre a Globalização (FIG) acusou esta terça-feira as grandes fortunas de influenciarem as negociações sobre as alterações climáticas. O exemplo dado foi claro: nos EUA os principais magnatas bloqueiam as políticas ambientais.

«A concentração extrema de poder contribui para o bloqueio das negociações sobre alterações climáticas», disse em conferência de imprensa o diretor executivo do FIG, Victor Menotti, quando apresentava um relatório sobre o tema em Doha, onde até sexta-feira decorre a conferência sobre alterações climáticas da ONU, escreve a Lusa.

No estudo, a ONG acusa os principais milionários norte-americanos de serem responsáveis pelo bloqueio das medidas sobre o clima nos Estados Unidos.

O FIG é uma associação de 60 ativistas, intelectuais, economistas, investigadores e escritores que representam 60 organizações de 25 países e visa chamar a atenção para o problema da globalização económica.

Menotti sublinhou que os «EUA são considerados o maior obstáculo a compromissos multilaterais significativos para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa que causam perigosas alterações climáticas».

O relatório refere-se, em particular, aos empresários Charles e David Koch, proprietários do grupo Koch Industries, que têm grande influência na política climática do país e que, segundo FIG, têm contribuído para paralisar as negociações na ONU.

O mesmo estudo explica como os Koch têm contribuído para travar qualquer avanço significativo na política climática dos EUA.

O documento do FIG surge depois de, na conferência do clima do ano passado, a organização ter dado a conhecer as 50 pessoas mais ricas e que mais investem em combustíveis fósseis.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Coração de gelo
Coração de gelo
COMENTÁRIOS

PUB
Operações irregulares no BES «fora do radar» de ex-administrador

Joaquim Goes alega que as cartas de conforto «não eram do conhecimento da maioria dos membros da comissão executiva». «Entre as quais, eu próprio», assegura. Estas cartas foram passadas BES à petrolífera venezuelana PDVSA e resultaram em elevadas imparidades ao banco no primeiro semestre de 2014. Depois disso, foi o fim.