Um francês, de 35 anos, terminou uma viagem de sete anos dando a volta ao mundo utilizando bicicletas, parapentes e veleiros e "quase sem emissões de dióxido de carbono".

Entrevistado pela agência France Presse, Olivier Peyre, engenheiro de profissão, percorreu 103.750 quilómetros viajando de bicicleta e como tripulante de vários veleiros.
 

"Também utilizei parapentes para ver o mundo a partir do alto", explicou, lembrando que a viagem começou em julho de 2008 em direção a Oeste.


O viajante dirigiu-se para a América do Sul, de onde seguiu para o continente africano, e atravessou o oceano Pacífico até chegar à Nova Caledónia, onde fez uma pausa de cerca de um ano.

Depois, fez a travessia até à Austrália e, depois, percorreu a Ásia e regressou à Europa através da Turquia, onde chegou há cerca de três meses.

"O custo da viagem ascendeu a cerca de 20 mil euros", precisou, garantindo que a viagem foi financiada pelas economias pessoais, oriundas do trabalho de engenheiro ligado à energia eólica, depois como professor na Nova Caledónia e de alguns patrocinadores, que o ajudaram apenas com bens materiais.
 

"Conheci o frio, a fome, atravessei zonas em que a temperatura era de 35 graus negativos, em plenos montes tibetanos. Mas isso não é nada quando comparado com o aspeto humano. Já estou há muito tempo longe da minha família e dos meus amigos", afirmou Olivier Peyre.


O desejo de fazer a viagem sem emissões de dióxido de carbono foi "quase conseguida".

"Foi a utilização dos motores em veleiros, usados quando era necessário. Um terço do meu trajeto foi percorrido em veleiros motorizados", realçou.

A aventura foi interrompida durante cinco meses em 2012, para estar presente no casamento da irmã.