O prémio Nobel da Literatura Mario Vargas Llosa é uma das figuras que aparece na lista de nomes dos chamados Papéis do Panamá. O escritor peruano terá comprado com a ex-mulher uma sociedade offshore à Mossack Fonseca.

Mario Vargas Llosa garante que nunca teve contas ou empresas em paraísos fiscais. Vargas Llosa considera que, se o nome dele aparece nos documentos, só pode dever-se a uma operação não consentida, realizada por um gestor de investimentos.

O casal esteve vinculado à empresa apenas durante algumas semanas, em 2010. As ações foram depois compradas por cidadãos russos, dias depois de o escritor ter vencido o prémio Nobel da Literatura, a 7 de outubro desse ano.

As revelações são feitas pelo site espanhol El Confidencial que integra o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação. O jornal digital cita vários documentos relacionados com o negócio, onde constam os nomes de Mario e Patrícia Vargas Llosa, prima e mulher do escritor durante 50 anos. O casal anunciou o divórcio há poucas semanas. 

O jornal espanhol El País dá conta da resposta do escritor e político peruano.

A agência literária do Nobel diz que "Os senhores Vargas Llosa nunca tiveram contas bancárias nesses países [Ilhas Virgens e Panamá], nunca tiveram relações com os advogados da Mossack Fonseca e nunca tiveram fundos ou bens através de uma sociedade com esse nome [Talome Services]. Só se pode admitir que algum assessor de investimentos ou intermediário, sem o consentimento dos senhores Varga Llosa, tenha reservado esta sociedade para a realização de algum investimento que estivesse a estudar, sem que, finalmente, tivesse sido materializada alguma intenção concreta".

De acordo com o jornal brasileiro Opção, Mario Vargas Llosa assegura que está em dia com as obrigações tributárias nos países em que recebe “benefícios”, como Peru e Espanha, onde reside. Como a empresa Talome Services foi fechada dias antes de ser anunciado como Nobel da Literatura, sugerindo que queria evitar alguma “mancha” na sua biografia, o autor de “O Sonho do Celta” frisa que recebeu a notícia de que havia sido premiado pela Academia Sueca ao mesmo tempo que a imprensa.