Um homem de 34 anos teve de ser hospitalizado depois de ter comido aquela que é considerada a "pimenta mais forte do mundo", a Carolina Reaper, durante um concurso, em Nova Iorque. O caso é descrito num estudo publicado esta semana na revista científica BMJ Case Reports, que alerta para as consequências que este tipo de alimentos pode ter no nosso organismo.

Segundo este relatório, o homem começou com episódios cíclicos de vómitos secos, seguidos de dores fortes no pescoço e na cabeça de forma repentina e intensa.

Os detalhes publicados pela revista dão conta que os sintomas eram tão fortes que obrigaram o homem a ir ao Centro Médico Bassett, em Cooperstown, Nova Iorque.

Foram feitos vários exames ao cérebro do paciente, incluindo ressonâncias magnéticas, uma vez que os sintomas apontavam para um possível Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou um caso de coágulos sanguíneos. 

Descartadas essas hipóteses, novos exames foram realizados. A equipa médica constatou, então, que várias artérias cerebrais estavam comprimidas. O homem foi diagnosticado com "síndrome de vasoconstrição cerebral reversível", que se carateriza por dores de cabeça súbitas e que, segundo os especialistas, deve ter sido causada pela ingestão daquela pimenta.

Apesar dos sintomas terem desaparecido ao fim de alguns dias, o paciente precisou de vigilância médica durante cinco semanas. 

Os especialistas, autores do estudo, alertam que a pimenta, devido aos seus compostos ativos, pode encolher os vasos sanguíneos de órgãos importantes como o coração ou o cérebro.

A capsaicina, o composto ativo da pimenta, pode encolher os vasos sanguíneos dos órgãos mais importantes como coração ou o cérebro", afirmou o médico Kulothungan Gunasekaran e co-autor do relatório, de acordo com a CNN. 

De acordo com o relatório, este é o primeiro caso do género a ser documentado.