Um tribunal indiano condenou esta terça-feira um condutor da Uber por violação de uma passageira em Nova Deli, no ano passado, indicou o procurador do Ministério Público encarregue do caso. Shiv Kumar Yadav, que não se declarou culpado, foi ainda condenado pelos crimes de rapto e intimidação. 

“Foi considerado culpado de todas as acusações, que incluem violação, e condenado”, disse à AFP Atul Shrivastava.

A pena, no entanto, ainda não é conhecida.

Uma jovem de 25 anos foi atacada por Shiv Kumar Yadav, a 5 de dezembro. Tinha solicitado o serviço da Uber para regressar a casa depois de um jantar com amigos na capital indiana.

Na altura, a Uber lamentou o incidente, sublinhando que tinha "de fazer melhor". Agora, o responsável da empresa em na Índia, Amit Jain, aplaudiu a decisão do tribunal, vincando que a violação é "um crime terrível".

"A violação é um crime terrível e estamos satisfeitos por ter sido levado à justiça


A Índia baniu a Uber por considerar que a empresa não efetua os procedimentos de controlo necessários na contratação de motoristas.