O Ministério saudita do Interior baniu 50 nomes próprios que considera serem contrários à cultura ou à religião do país. O Departamento de Assuntos Civis do Ministério emitiu uma lista de nomes proibidos e de, agora em diante, os pais sauditas já não poderão pôr aos filhos nomes como Linda, Alice, Elaine ou Binyamin (árabe para Benjamin).

No Islão, acredita-se que Binyamin era o nome do filho do Profeta Jacob, mas também é o nome do atual primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu.

Alguns nomes da lista são proibidos pelo Ministério do Interior por serem considerados "blasfemos", não-árabes ou não-islâmicos, ou contrários à cultura ou à religião do reino, refere o Gulf News.

A proibição também foi justificada pelo Governo porque alguns dos nomes são estrangeiros ou "inadequados".

Outros conjuntos de nomes proibidos remetem para conotações reais, tais como Sumuw (Alteza), Malek (rei) e Malika (rainha).

Alguns dos nomes incluídos na lista não se encaixam em nenhuma das categorias mencionadas, e ficando a razão para proibi-los aberta à especulação.

Confira a lista completa de nomes proibidos na Arábia Saudita:

Malaak (anjo)

Abdul Aati

Abdul Naser

Abdul Musleh

Binyamin (árabe para Benjamin)

Naris

Yara

Sitav

Loland

Tilaj

Barrah

Abdul Nabi

Abdul Rasool

Sumuw (Alteza)

Al Mamlaka (o Reino)

Malika (Raínha)

Mamlaka (Reino)

Tabarak (abençoado)

Nardeen

Sandy

Rama (deus Hindu)

Maline

Elaine

Inar

Maliktina

Maya

Linda

Randa

Basmala (pronunciação do nome de Deus)

Jibreel (anjoGabriel)

Abdul Mu’een

Abrar

Iman

Bayan

Baseel

Wireelam

Nabi (profeta)

Nabiyya (mulher profeta)

Amir (Príncipe)

Taline

Aram

Nareej

Rital

Alice

Lareen

Kibrial

Lauren