A difícil integração da Nokia no universo Microsoft continua a fazer vítimas.

Depois de, há um ano, ter despedido 18.000 pessoas, naquele que constituiu o seu maior corte de sempre, o gigante norte-americano da informática anuncia agora a eliminação de mais 7.800 postos de trabalho.

Além disso, vai ser também apresentada uma imparidade superior a 6.800 milhões de euros relativa ao negócio dos telemóveis, já que, segundo um comunicado da companhia, "as previsões para este segmento estão abaixo das expetativas originais".

A Microsoft comprou a divisão de telemóveis da Nokia em 2013, numa altura em que a empresa finlandesa estava à beira da falência devido à sua incapacidade em competir no mercado dos  smartphones. A companhia fundada por Bill Gates viu nessa aquisição um meio de ganhar força nesta área de negócio, onde estava em enorme desvantagem face à Apple.

Nos útimos dois anos, a Microsoft reestruturou todo o setor dos telemóveis e lançou muitos produtos novos, mas nem assim tem conseguido ganhar quotas de mercado significativas.