A polícia de Atenas capturou o extremista Nikos Maziotis, um dos homens mais procurados da Grécia.

«Nikos Maziotis foi preso», disse à France Press uma fonte da polícia grega, acrescentando que um agente ficou ferido durante o tiroteio que se registou antes da captura no bairro de Monastiraki, uma área turística da capital do país.

Maziotis, que se encontrava na companhia de Panagiota Roupa, outro membro do antigo grupo Luta Revolucionária, saiu da prisão em 2012 sob regime de liberdade condicional, mas encontrava-se desaparecido e era procurado pelas autoridades.

O grupo armado Luta Revolucionária surgiu em 2003 e foi apontado como a organização de extrema-esquerda mais perigosa do país, sendo referenciado como terrorista pela União Europeia e pelos Estados Unidos.

As autoridades norte-americanas anunciaram mesmo a oferta de uma recompensa para informações ou captura dos elementos do grupo responsável pelo disparo de um lança-foguetes contra a embaixada dos Estados Unidos em Atenas em 2007.

Entre outras operações, o grupo é responsável por um atentado bombista contra as instalações da Bolsa de Atenas e de várias dependências bancárias por todo o país, além dos ataques contra agentes da polícia e membros do governo.

O ressurgimento de atividades extremistas na Grécia tem vindo a aumentar desde o início da crise económica e sobretudo desde a altura em que começou o programa de resgate, há seis anos.

Em dezembro de 2013, um grupo de atacantes desconhecidos disparou vários tiros de espingarda automática contra a residência do embaixador da Alemanha em Atenas, mas sem causar feridos.

Um mês antes, dois elementos do partido neonazi Aurora Dourada foram mortos a tiro e outro ficou gravemente ferido num bairro de Atenas.

Em janeiro, um dos mais destacados membros do grupo extremista «Novembro 17», Christodoulos Xiros, que se encontrava a cumprir uma pena de prisão, desapareceu durante uma saída precária e continua a monte.