Uma criança nigeriana de dois anos foi resgatada por uma dinamarquesa na zona de Uyo, no sul da Nigéria, depois de ter sido abandonada pela família, que acreditava que o menino era um bruxo.

Durante oito meses, o menino – agora chamado Hope (Esperança, em inglês) - viveu na rua, dependente de restos de comida que estranhos e transeuntes lhe foram dando. Só assim não morreu à fome.

Imagens partilhadas na conta de Facebook de Anja Ringgren Lovén – a estrangeira que o salvou -, divulgadas esta segunda-feira pelo Daily Mail, mostram a mulher a encontrar a criança e a dar-lhe água da sua própria garrafa, antes de a enrolar num cobertor e transportar para o hospital mais próximo.

Foto: Reprodução/Facebook/ Anja Ringgren Lovén

 

A criança teve de receber várias transfusões de sangue, para aumentar o número de glóbulos vermelhos, e receber tratamento para parasitas que tinha no organismo, mas em apenas alguns dias, as novas imagens partilhadas na rede social já espelhavam a nova realidade do menino - Lovén resgatou Hope no dia 31 de janeiro, e as fotos foram partilhadas a 6 de fevereiro.

Desta vez, Hope já aparece vestido e sorri para a câmara, ao lado do filho de Lovén, com quem brinca.

“A condição do Hope já é estável. Já come sozinho e está a responder bem ao tratamento. Hoje teve forças para se sentar e sorrir para nós. É um menino forte”, escreveu Loven no Facebook.

Anja partilhou a história e imagens da criança para pedir doações para pagar as altas despesas médicas que o tratamento requereu. Milhares de partilhas ajudaram a conseguir mais de um milhão de dólares em donativos (cerca de 880 mil euros), e, agora, com as doações, a missionária e o marido pretendem construir uma clínica e resgatar outras crianças como Hope.

Há três anos, Anja Lovén e o marido já tinham criado a Fundação para a Educação e Desenvolvimento das Crianças Africanas, uma associação que ajuda crianças abandonadas. Em janeiro já tinham começado a construir um orfanato.