Funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência (SEBIN, serviços secretos) evacuaram hoje o Hotel Pestana Caracas, propriedade de empresários portugueses, impedindo o acesso ao local.

Fontes não oficiais dão conta de que a ação da polícia secreta teria a ver com o atentado de sábado contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A TVI contactou a diretora de comunicação do Grupo Pestana, que confirmou a evacuação e garantiu estar a acompanhar a situação com "preocupação".

Uma fonte contactada pela agência Lusa explicou que no local estão quatro carrinhas do SEBIN e que o acesso ao hotel está restringido.

Propriedade do Grupo Pestana, de Portugal, o Hotel Pestana Caracas foi inaugurado em 2008, durante a visita à Venezuela do então primeiro-ministro português, José Sócrates.

No sábado, duas explosões que as autoridades dizem ter sido provocadas por dois drones (aviões não tripulados) obrigaram o presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O ato, que decorria na Avenida Bolívar de Caracas (centro), estava a ser transmitido em simultâneo pelas rádios e televisões venezuelanas e no momento em que Nicolás Maduro anuncia que tinha chegado a hora da recuperação económica ouviu-se uma das explosões.

Sete militares ficaram feridos e, segundo as autoridades, foram detidas seis pessoas por suspeita de envolvimento no atentado.