Um raio atingiu esta segunda-feira uma refinaria venezuelana, provocando um forte incêndio que obrigou as autoridades a retirarem preventivamente centenas de pessoas das localidades de Puerto La Cruz, no Estado de Anzoátegui, 320 quilómetros a leste de Caracas.

O governador do Estado, Aristóbulo Istúriz, disse aos jornalistas que as autoridades retiraram as populações de «zonas próximas da refinaria, no raio de um quilómetro, como medida preventiva».

Istúriz convidou as pessoas de comunidades próximas da área a sair de casa e a dirigir-se ao Passeio Colón de Puerto La Cruz, junto à praia.

Segundo as rádios locais, o incêndio iniciou-se pelas 15:30 na Venezuela (21:00 domingo em Lisboa), na sequência de um raio que caiu sobre resíduos existentes, junto de uma das áreas de abastecimento de combustível da empresa estatal Petróleos da Venezuela SA (Pdvsa).

Através da sua conta no Twitter, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, informou que equipas da petrolífera Pdvsa, da área de Anzoátegui, e dos bombeiros estatais estavam a trabalhar para controlar o incêndio.

«Mantenho-me em comunicação direta com as equipas que operam na região. Agradeço a cooperação das comunidades próximas», escrevia Maduro.

Puerto La Cruz está situado a 320 quilómetros a leste de Caracas, no Estado Venezuelano de Anzoátegui. Trata-se de uma localidade onde reside um número significativo de cidadãos portugueses.

Fogo em refinaria venezuelana não causou vítimas

Horas depois, era o próprio presdiente da Venezuela, Nicolas Maduro, que anunciava que não havia registo de vítimas do incêndio.

«O fogo já foi dominado», escreveu Maduro na sua conta do Twitter, tendo divulgado uma foto em que se observa uma coluna de fumo com 50 metros de altura.