O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decretou o estado de "emergência económica" por 60 dias, na sequência da crise económica e política que o país atravessa, de acordo com o Boletim Oficial do Estado venezuelano.

O novo ministro da Economia, Luis Salas, nomeado por Maduro após as eleições, vai organizar uma conferência de imprensa para avançar detalhes sobre as medidas do decreto, que não foram ainda divulgadas.

Nicolás Maduro, que às 21:30 locais explicará aos deputados as linhas da sua política, cumprindo uma exigência da Constituição venezuelana para todos os meses de janeiro, deverá também facultar mais informações sobre a decisão.

A Venezuela registou uma inflação de 141,5% em 12 meses, entre outubro de 2014 e setembro de 2015, revelou hoje um relatório elaborado pelo banco central venezuelano e pelo instituto de estatística do país.

O documento do Banco Central da Venezuela (BCV) revela ainda que "a inflação acumulada durante os primeiros nove meses (janeiro a setembro) do ano de 2015 foi de 108,7%".

Segundo o BCV, o setor dos alimentos e bebidas não alcoólicas foi o mais afetado pela inflação, entre janeiro e setembro de 2015, com uma média de 55,7%, seguido pelos restaurantes e hotéis (52%), bebidas alcoólicas e tabaco (50,9%), serviços de educação (43,3%), vestuário e calçado (35,6%), equipamento para o lar (33,3%), lazer e cultura (30%).