A Assembleia Nacional Francesa aprovou, esta terça-feira à noite, o prolongamento, por mais seis meses, do estado de emergência em vigor em França, cinco dias depois do atentado que provocou 84 mortos em Nice.

O artigo do projeto de lei do prolongamento do estado de emergência, que coloca a sua duração em seis meses, ou seja, até ao fim de janeiro de 2017, foi adotado por voto de braço no ar pelos deputados. O texto deve agora passar ao Senado onde será debatido durante esta quarta-feira. 

Na quinta-feira à noite, um franco-tunisino avançou um camião frigorífico, durante dois quilómetros, contra a multidão que assistia ao fogo-de-artifício do 14 de julho, feriado nacional, na avenida marginal Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses), em Nice.

O Presidente da República francesa realizou esta terça-feira uma curta visita de trabalho a Portugal, encurtada precisamente devido aos ataques da semana passada. 

"Há atualmente um dever maior que devemos cumprir: proteger os europeus, que é o meu dever, e proteger os europeus, que é a nossa responsabilidade", sublinhou Hollande, em declarações aos jornalistas ao lado de Marcelo Rebelo de Sousa, no dia em que se soube que há mais portugueses entre os feridos.