O julgamento do ex-comandante do cruzeiro Costa Concordia Francesco Schettino, previsto para esta terça-feira em Grosseto, centro de Itália, foi adiado para 17 de julho por causa de uma greve de advogados.

Um ano e meio após o naufrágio do navio, que causou 32 mortos, a audiência, à qual assistiu Francisco Schettino, demorou cerca de 15 minutos.

Francesco Schettino é acusado de homicídio por negligência, de abandono do navio e de causar danos ambientais.