O Ministério Público sul-coreano pede a pena de morte para o comandante do ferry que naufragou provocando a morte a 304 pessoas, adianta a CNN. Os procuradores reivindicam ainda a pena perpétua para outros três membros da tripulação. Começou esta segunda feira a última sessão do julgamento do capitão e tripulação do Sewol.

A sessão começou com os últimos interrogatórios do juiz à defesa do capitão e dos 14 tripulantes, acusados de adiarem a ordem de evacuação da embarcação e de terem abandonado o ferry, desconsiderando a segurança dos passageiros.

Dezenas de familiares das 304 pessoas que perderam a vida em abril assistem a esta sessão.

O capitão e três dos tripulantes estão acusados de homicídio por negligência grave, uma acusação semelhante a homicídio em primeiro grau nos códigos penais ocidentais.

Os restantes 11 membros da tripulação estão acusados de conduta negligente resultando em morte.

A data da leitura da sentença ainda não foi anunciada mas tudo indica que seja entre 10 e 12 de novembro, já que no dia 14 termina o prazo legal que permite que os acusados sejam mantidos sob custódia.

Pena pesada, sem dúvida, mas a Coreia do Sul ficou chocada como vídeo que mostrava como o comandante do navio que naufragou com centenas de estudantes foi o primeiro a sair. Um dos primeiros a sair foi precisamente o comandante. Vinha descalço, ainda em roupa anterior.

O vídeo divulgado pela Guarda Costeira mostra o momento em que foram salvos os tripulantes do ferry, naufragado a 16 de Abril.