O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lamentou, este domingo, o naufrágio de uma traineira, com centenas de imigrantes a bordo, frente à costa líbia, e pediu à União Europeia (UE) uma resposta face às inúmeras mortes de imigrantes no Mediterrâneo. De acordo com o relato de um sobrevivente, estariam a bordo «umas 950» pessoas, incluindo mulheres e crianças.

Ban Ki-moon manifestou-se «chocado e profundamente entristecido» com a tragédia, a mais recente de uma série de outras ocorridas na última semana, envolvendo a morte de centenas de imigrantes e refugiados, refere em comunicado o seu porta-voz.

Para o secretário-geral das Nações Unidas, estas tragédias figuram como «urgentes lembretes da necessidade fundamental de se ter uma forte capacidade de busca e de resgate no Mediterrâneo», pelo que instou a UE e os seus governos a «acelerar os seus atuais esforços no sentido de responder de forma global à situação daqueles que procuram refúgio nas suas fronteiras».

«Com números recorde de pessoas que fogem da guerra e da perseguição, há mais gente a tentar chegar à Europa por barco e estão a perder-se mais vidas», realçou.


Segundo dados da ONU, a confirmar-se a morte dos imigrantes desaparecidos no naufrágio de sábado, desde o início do ano terão morrido em águas do Mediterrâneo cerca de 1600 pessoas, as quais se somam às mais de 3500 que perderam a vida em 2014.

«Isto faz do Mediterrâneo a rota mais mortífera das utilizadas pelos requerentes de asilo e imigrantes», salientou o secretário-geral da ONU.


Ban Ki-moon, que colocou em evidência o impacto do fluxo massivo de imigrantes está a ter em Itália, sublinhou que a resposta deve ser «coletiva» e apelou à comunidade internacional para que demonstre a sua «solidariedade» partilhando o fardo em face da atual crise, refere a mesma nota.

A resposta não deve, porém, limitar-se a melhorar as tarefas de resgate, devendo também garantir o direito ao asilo ao número cada vez mais maior de pessoas que precisam de um lugar seguro, defendeu.

A União Europeia anunciou que vai organizar uma reunião de urgência com os ministros do Interior e dos Negócios Estrangeiros para debater a situação, estando igualmente em consideração a realização de uma cimeira europeia extraordinária.