Um jornalista sírio que dirigiu um documentário crítico da ação do Estado Islâmico foi assassinado no domingo em Gaziantep, na Turquia, alegadamente a mando do grupo jihadista, refere a agência turca de notícias Dogan.

Naji Jerf, de 38 anos, pai de duas meninas, foi atingido com um tiro na cabeça enquanto caminhava numa avenida do centro de Gaziantep, capital da província turca com o mesmo nome, uma região fronteiriça com a Síria.

A morte de Naji Jerf, que dirigia a publicação árabe “Hentah”, foi reivindicada pelo Estado Islâmico nas redes sociais, noticia ainda a agência Dogan.

 
Por ter realizado o documentário, o jornalista era apontado como um “alvo a abater”, admite a polícia turca.

As autoridades lançaram entretanto uma operação de "caça" ao homem para tentarem capturar os responsáveis pelo crime. As imagens das câmaras de segurança da região já foram recolhidas e as primeiras testemunhas já prestaram depoimento.

O documentário "Estado Islâmico em Aleppo", realizado por Naji Jerf, foi transmitido pela cadeia internacional de televisão Al Arabiya e teve 12 milhões de reproduções na internet, indica o site do canal.