Um diplomata, falando à cadeia norte-americana de comunicação CNN sob anonimato, garantiu que um relatório das Nações Unidas sobre o embargo às exportações da Coreia do Norte, mostra haver envios de materiais para a Síria, que poderão servir para o fabrico de armas químicas.

Revestimentos à prova de ácido, válvulas e termómetros terão sido alguns dos componentes enviados pela Coreia do Norte para a Síria, sendo que depois, há também registo da presença de peritos em mísseis que terão ficado instalados em unidades militares.

De acordo com o diplomata, os peritos norte-coreanos poderão ainda estar na Síria, trabalhando em localidades como Barzeh, Adra e Hama, perto da capital do país, Damasco.

O governo sírio tem sempre negado o uso de armas químicas na guerra contra fações rebeldes que o tentam derrubar. Sobre a presença de norte-coreanos, justificou serem treinadores desportivos.

As acusações feitas pelo diplomata do Conselho de Segurança da ONU carecem de confirmação e não tiveram ainda reação por parte do governo sírio, recentemente acusado de ter atacado a região de Ghouta oriental com gás de cloro.

Os dados que levam às acusações de que a Síria está a ser ajudada a fabricar armas químicas estarão num relatório das Nações Unidas elaborado sobre as exportações da Coreia do Norte, que está sob embargos sucessivos pro parte da ONU.

Os relatórios bianuais raramente são divulgados publicamente, algo que poderá, contudo, acontecer desta vez, segundo diplomata citado pela CNN. O documento será publicado a 16 de março, segundo o mesmo.