A viúva de um soldado norte-americano que morreu numa emboscada no Níger disse que a chamada de Donald Trump para lhe dar as condolências a fez chorar pois o presidente norte-americano nem sabia o nome do marido. A mulher foi entrevista num programa de televisão, esta segunda-feira, e logo depois, Trump respondeu-lhe no Twitter, com a sua versão dos factos.

Myeshia Johnson, viúva do sargento La David Johnson, afirmou no programa “Good Morning America” que Trump lhe telefonou para dar as condolências, mas não sabia o nome do marido e que só o acabou por referir porque tinha um relatório mesmo à frente dele.

Segundo a mulher, Trump disse-lhe que o marido “sabia para o que ia”. “E fez-me chorar porque estava muita zangada com o seu tom de voz e em como ele não se conseguia lembrar do nome do meu marido”, acrescentou.

Se o meu marido foi para fora lutar pelo nosso país, arriscando a vida pelo nosso país, como pode não saber o seu nome?”, questionou, indignada. 

"Eu não disse nada, só ouvi", revelou Myeshia Johnson.

Pouco tempo depois de a entrevista ter sido exibida, Trump recorreu, como habitualmente, ao Twitter para contar a sua versão dos factos. O presidente norte-americano frisou que disse o nome do sargento desde o princípio, sem hesitação.

Tive uma conversa muito respeitosa com a viúva do Sargento La David Johnson e disse o seu nome desde o princípio, sem hesitação."

O sargento La David T. Johnson morreu no início do mês, numa emboscada realizada por um grupo extremista islâmico, ligado ao Estado Islâmico, a cerca de 200 quilómetros de Niamey, a capital do Níger. Essa emboscada provocou a morte de quatro soldados norte-americanos e quatro soldados do Níger.

O Pentágono abriu uma investigação para apurar as circunstâncias em que tudo aconteceu. 

Entretanto, Myeshia Johnson, que está grávida de uma menina, disse que está à espera de várias respostas. A mulher não entende, por exemplo, porque nunca a deixaram ver o corpo do marido.

"Por que é que eu não podia ver o meu marido? Sempre que lhes pedi, não me deixaram. (...) Eles não me mostraram um dedo, uma mão... Eu não sei o que está naquela caixa", desabafou a viúva no mesmo programa.