Katy Perry revelou alguns pormenores sobre a sua educação religiosa na adolescência e como foi incutida a “rezar para afastar a homossexualidade”. O discurso da cantora aconteceu durante a Gala da Campanha dos Direitos Humanos de 2017, onde foi galardoada pela defesa dos direitos LGBT.

A cantora norte-americana de 32 anos recebeu o prémio de Igualdade Nacional e iniciou o seu discurso mencionando o hit “I Kissed a Girl”, cuja letra gerou controvérsia. Na gala que decorreu em Los Angeles, Katy descreveu-se como uma “simples cantora e compositora”.

Eu falo as minhas verdades e pinto as minhas fantasias nestas pequenas músicas pop, como por exemplo: eu beijei uma rapariga e gostei."

A cantora justificou que a letra da música tinha sido baseada na sua experiência de vida.

Verdade seja dita: eu fiz mais do que isso. Mas como é que eu ia conciliar isso com uma cantora evangélica, criada em grupos de jovens dos campos de conversão? O que eu sabia era que estava curiosa e sabia que a sexualidade não era preta e branca como este vestido."

Filha de pastores e com início de carreira na área da música gospel, em 2001, antes do sucesso na música pop, a cantora lançou algumas canções alusivas à religião.

As minhas primeiras palavras foram ‘mamã’, ‘papá’, ‘Deus’ e ‘Satanás’. Na minha adolescência, a homossexualidade era sinónimo da palavra 'abominação' e 'inferno'. Durante grande parte da minha adolescência, eu rezei para os gays se afastassem".

Katy Perry agradeceu então ter conhecido pessoas fora dessa "bolha", mudando a sua consciência.

Vocês não escolhem a vossa família, mas podem escolher a vossa tribo”.