O museu de Auschwitz-Birkenau, na Polónia, anunciou, na quinta-feira, ter encontrado um anel e um colar de ouro escondidos por um preso no fundo falso de uma caneca, que está em exposição no antigo campo de concentração nazi, onde milhares de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra Mundial.

A descoberta foi feita quando os funcionários restauravam a coleção de 12 mil utensílios de esmalte do museu. A ação do tempo desgastou o fundo falso, revelando o que estava lá escondido.

"As joias estavam muito bem escondidas mas, com o passar do tempo, desgastaram-se e o fundo falso separou-se da caneca", disse a funcionária do museu que fez a descoberta, Hanna Kubik.

O anel encontrado no fundo falso da caneca (Foto: Museu de Auschwitz-Birkenau)
 

Mais de 70 anos após a libertação dos prisioneiros do campo de concentração nazi onde cerca de 1,5 milhão de pessoas foram mortas, ainda há casos de revelações acidentais deste tipo.

“As joias escondias provam que, por um lado, as vítimas sabiam que a deportação significava que iam ser roubadas, mas por outro lado, mostra que as famílias judaicas tinham um raio de esperança de que poderiam mais tarde reclamar os seus pertences", disse Piotr Cywinski, diretor do Museu Auschwitz-Birkenau, à CNN.

Na altura, os nazis diziam aos judeus que apenas iam ser deslocados e poderiam retomar a vida noutro local.

"Acreditando numa vida noutro lugar, as vítimas podiam levar uma pequena bagagem para os campos. Desta forma, os alemães acreditavam que, na mala, além de roupas e itens pessoais, os judeus levassem joias e objetos de valor", explicou o diretor.


O colar, encontrado envolto num tecido, junto com o anel (Foto: Museu de Auschwitz-Birkenau)

De acordo com a instituição, o colar e o anel de ouro serão registados e guardados em segurança, mas a probabilidade de encontrar os donos é bastante reduzida, já que "não há pistas nos objetos que ajudem a identificar de quem são".

Os técnicos realizaram testes às joias e sabe-se apenas que terão sido manufaturadas na Polónia entre 1921 e 1931.