Pagar às pessoas para pararem com os maus hábitos de saúde pode ser uma forma poderosa de resolver problemas como o vício de fumar, diz um novo estudo publicado no « British Medical Journal». 

De acordo com o estudo, várias grávidas foram desafiadas a deixar de fumar a troco de dinheiro e mostraram que esse pode ser o incentivo de que precisam. Divididas em dois grupos, o grupo de intervenção recebia vales de compras no valor de mil euros enquanto o  grupo de controlo recebeu uma rotina de cuidados, atenção pessoal e a oferta de terapia de reposição de nicotina durante 10 semanas pelos serviços de farmácia.

Com esta divisão, f
icou provado que as grávidas tinham duas vezes mais sucesso quando recebiam o incentivo financeiro do que quando recebiam o aconselhamento regular.

«Se os incentivos financeiros forem eficientes podem juntamente com as vacinas ser uma importante estratégia de intervenção de saúde preventiva», aponta o estudo.

A pesquisa que analisou mais de 600 mulheres no Reino Unido, concluiu que um quarto das mulheres a quem foi oferecido o dinheiro pararam de fumar com sucesso enquanto no grupo de controlo apenas 9 dessas mulheres o conseguiram.

A utilização de incentivos financeiros para garantir o melhor comportamento de saúde é um assunto que tem sido explorado em profundidade nos últimos anos por especialistas em saúde pública. Muitas pessoas não concordam com este tipo de incentivos devido às preocupações éticas subjacentes, argumentando que tais incentivos diminuem a responsabilidade pessoal.

«Nos países desenvolvidos, há agora um claro fator socioeconomico. O uso de tabaco está maioritariamente concentrado entre os mais pobres na sociedade. O facto de receberem incentivos financeiros que podem ajudar, por exemplo, a pagar a renda familiar antes da chegada de um bebé, é um importante auxílio», reforça o estudo.

Os investigadores, afirmam que este incentivo pode ajudar de várias formas as mulheres, uma vez que as mesmas obtêm fundos adicionais antes do nascimento da criança. O dinheiro é visto como um bom apoio financeiro, no momento em que estas têm mais responsabilidade e necessidades monetárias.