Um estudo da American University, de Washington, mostra que as mulheres mais velhas desfrutam da melhor atividade sexual das suas vidas. De acordo com o estudo, o melhor sexo pode muito bem acontecer aos 70, 80 ou mesmo aos 90 anos.

O estudo, citado pela BBC, foi conduzido por Iris Krasnow, professora de Jornalismo e Estudos Femininos. A investigadora entrevistou 150 mulheres entre 20 e 90 anos sobre os seus segredos mais íntimos e garante ter tido conversas surpreendentes e reveladoras. Os resultados do estudo estão agora espelhados no livro «Sex After...: Women Share How Intimacy Changes as Life Changes»( que, numa tradução livre, pode resultar em alo como «Sexo depois dos...: Mulheres partilham como a intimidade muda com as mudanças da vida»).

Krasnow investigou a atividade sexual feminina em diferentes fases da vida: depois da faculdade, da maternidade, da menopausa e da viuvez e descobriu que as mulheres mais velhas eram mais aventureiras e mais confiantes na sua sexualidade.

De acordo com o estudo, os relatos de bom sexo estavam sempre acompanhados do desenvolvimento de intimidade e conexão emocional. «As pessoas pensam sobre o sexo até o momento em que morrem», conclui a investigadora, numa entrevista à BBC.

E não se ficam pelo pensamento. Iris Krasnow garante que praticam e divertem-se. A investigadora acrescentou que as mulheres entre 80 e 90 anos estão na faixa etária que mais cresce dentro da população idosa, em muitos países ocidentais, e que assistimos não só um aumento na longevidade, mas o aumento da atividade sexual neste setor da sociedade.

Krasnow sublinha também que a crença de que as mudanças fisiológicas, como a menopausa, cirurgias ou histerectomia (retirada do útero), não permitem o desenvolvimento da atividade sexual saudável se revela um mito arcaico. A professora vai mais longe e acrescenta que a ideia de que o sexo das mulheres piora na velhice é um mito perpetuado por homens mais velhos que querem firmar sua juventude e, com a ajuda de Viagra, procuram relacionamentos com mulheres mais novas.