O Ministério Público de Taiwan disse hoje que as mortíferas explosões de gás, ocorridas em julho, se deveram a «múltiplos erros humanos», acusando 12 pessoas pela tragédia, incluindo o dirigente da empresa química e membros do Governo.

Trinta e duas pessoas morreram e mais de 300 outras ficaram feridas na sequência de uma série de explosões em gasodutos, na cidade de Kaohsiung, no sul de Taiwan, poderosas o suficiente para destruir carros e esventrar estradas pavimentadas.

O Ministério Público acusou o presidente da LCY Chemical Corporation, que operava os gasodutos, e outras 11 pessoas de negligência profissional e de delitos contra a segurança pública.