Um vírus pouco conhecido transmitido por mosquitos está a causar uma crise de saúde alarmante no Brasil, com as autoridades a alertarem para milhares de casos de danos cerebrais em bebés que nascem com microcefalia.

De acordo com o jornal The New York Times, muitas mulheres grávidas em todo o Brasil estão em pânico, e o governo, criticado por não ter agido mais cedo, está a instá-las a terem o máximo de cuidado para evitar picadas de mosquito.

Claudio Maierovitch, diretor do departamento de vigilância das doenças transmissíveis do Ministério da Saúde do Brasil, aconselhou mesmo as mulheres que puderem esperar a adiar a conceção.

O alarme decorre do aumento do número de bebés com microcefalia, uma doença rara e incurável em que a cabeça é anormalmente pequena, tendo as autoridades brasileiras registado pelo menos 2.782 casos este ano, por comparação com 147 em 2014 e 167 em 2013.

O jornal norte-americano adianta que pelo menos 40 das crianças que nasceram com o problema morreram recentemente, podendo as que sobrevivem ter de enfrentar danos no desenvolvimento intelectual para o resto da vida.

Investigadores brasileiros alertaram igualmente para a possibilidade de um aumento de casos nos próximos meses.

Para alguns cientistas, Zika, um vírus obscuro, transmitido por mosquitos e que fez o seu caminho pelo país recentemente, é o responsável pelo súbito aumento da lesão cerebral entre os recém-nascidos.

Outros virologistas alertam, contudo, serem necessários mais testes para provar a ligação entre o vírus e os danos cerebrais.

O vírus Zika já atingiu vários países da América Latina, incluindo o México, e foi lançado um alerta de que pode espalhar-se também a diversas regiões dos Estados Unidos, havendo já casos diagnosticados nos EUA em viajantes que estiveram em países afetados.