O antigo colaborador dos serviços secretos norte-americanos Edward Snowden decidiu ficar na capital russa e não viajar para Havana depois de Cuba lhe recusar a entrada no país, escreve hoje o diário russo Kommersant.

«Em Moscovo estavam firmemente convencidos de que Edward Snowden, que chegou a Sheremetevo a 23 de junho, partiria para Havana, no máximo, 22 horas depois da chegada, tal como estava escrito no bilhete. O objetivo final do americano devia ser o Equador ou, segundo outros dados, Bolívia», escreve o jornal, citando fontes oficiais russas.

O Kommersant recorda que Snowden devia embarcar num avião da companhia russa Aeroflot no dia 24 de junho, mas não compareceu. Segundo este jornal russo, as autoridades cubanas, pressionadas pelos Estados Unidos, informaram Moscovo de que não autorizariam a aterragem do avião em Havana se a bordo estivesse Edward Snowden.