Uma pessoa morreu este domingo e 150 ficaram feridas num movimento de pânico numa universidade do Quénia, provocado por uma explosão elétrica que os estudantes recearam ser um ataque de extremistas islâmicos semelhante ao ocorrido em Garissa.

De acordo com o vice-presidente da Universidade de Nairobi, Peter Mbithi, «um cabo elétrico explodiu no exterior da residência universitária»  e «os estudantes pensaram que havia um ataque» como o de 2 de abril na Universidade de Garissa, onde um comando das milícias extremistas shebab fez 148 mortos, a maioria deles estudantes.

O responsável, citado pela agência France Presse, explicou que houve um movimento de pânico e que alguns estudantes se atiraram de janelas do edifício, entre os quais a única vítima mortal do incidente, que se atirou do quinto andar.