É um duplo alerta da Organização Mundial de Saúde: quanto à má qualidade do ar que respiramos e às mortes que a poluição provoca.

A OMS estima que 92% da população mundial respira ar poluído e que 3 milhões de pessoas morrem todos os anos por causas associadas precisamente à poluição do ar exterior.

Com recurso a um novo modelo de avaliação da qualidade do ar, a organização confirma que mais de nove em cada dez humanos vivem em locais onde a qualidade do ar exterior excede os limites definidos.

O relatório da OMS, intitulado "Poluição do ar ambiente: Uma avaliação Global da Exposição e do peso da doença", conclui também que cerca de três milhões de mortes anuais estão associadas à exposição à poluição do ar exterior e alerta que, se se juntar a poluição do ar interior, a mortalidade sobe para 6,5 milhões anuais (11,6% de todas as mortes).

Ainda este mês, um relatório do Banco Mundial também deu conta que a poluição atmosférica se tornou o quarto fator de morte prematura no mundo, causando uma perda de receita de milhares de milhões de dólares para a economia mundial. 

Angola é o país lusófono - e um dos oito países africanos - com maior taxa de mortalidade associada à poluição atmosférica, com 50 pessoas em cada 100 mil a morrerem devido à exposição a ar exterior de má qualidade.