Os gémeos devem nascer às 37 semanas de gestação para minimizar os riscos de morte fetal e neonatal, conclui um estudo hoje publicado, que se baseia em mais de 35 mil partos.

Publicado no British Medical Journal, o estudo baseia-se nos resultados de 32 estudos realizados nos últimos 10 anos que abrangem 29,6 mil gravidezes gemelares dizigóticas (em que cada gémeo tem a sua placenta) e 5,4 mil monozigóticas (em que os gémeos partilham a mesma placenta).

Já se sabia que o risco de morte fetal intrauterina é maior nas gravidezes de gémeos do que de nas um só feto e que o risco aumenta com o tempo de gestação, pelo que, muitas vezes, antecipa-se o parto para prevenir complicações.

No entanto, não se sabia com certeza qual a idade gestacional ótima para induzir o parto de forma a minimizar os riscos.

As recomendações atuais oscilam entre as semanas 34 e 37 para as gravidezes monozigóticas e entre as semanas 37 e 39 para as dizigóticas.

O estudo agora publicado, que incluiu apenas gravidezes não complicadas, comparou a mortalidade intrauterina e a mortalidade neonatal para diversas idades gestacionais posteriores à semana 34.

Os resultados para as gravidezes dizigóticas mostraram que o risco de morte fetal intrauterina se equilibra com o risco de morte neonatal na semana 37 de gestação.

Adiar o parto até às 38 semanas aumentava em média o risco de morte fetal intrauterina em 8,8 mortes por cada 1.000 gravidezes.

Nas gravidezes monozigóticas, o risco de morte fetal parece ser maior do que o da morte neonatal para além da semana 36 de gestação.

No entanto, os cientistas evitam fazer uma recomendação firme sobre o momento ótimo do parto no caso das gravidezes gemelares monozigóticas devido ao reduzido número de casos representativos deste grupo.

"Para minimizar as mortes perinatais em gravidezes gemelares dizigóticas sem complicações o parto deve ser considerado às 37 semanas; nas gravidezes monozigóticas o parto deve ser considerado à semana 36", concluem os cientistas.