A Irmandade Muçulmana do Presidente egípcio deposto rejeitou, esta quarta-feira, a proposta de entrar no novo Governo, afirmando que «não pactua com os golpistas», indicou um porta-voz do movimento islamita.

«Nós não pactuamos com os golpistas. Nós rejeitamos tudo o que emana desse golpe» militar, declarou à AFP Tareq al-Morsi, numa referência à oferta formulada pelo novo primeiro-ministro.

Durante a noite, um porta-voz da presidência, Ahmed al-Muslimani, citado pela agência oficial Mena, indicara que Hazem Beblawi, designado na terça-feira à noite, iria oferecer «alguns cargos» no Governo de transição ao Partido da Liberdade e da Justiça, o braço político da Irmandade Muçulmana.