Veículos armados da guarda do exército tomaram conta do edifício da televisão pública, obrigando os trabalhadores a abandonarem o local, confirmam fontes à agência Reuters.

O porta-voz do presidente egípcio disse, entretanto, que Morsi prefere morrer em defesa da democracia do que ser culpado pela história.