O monsenhor Dario Viganò, responsável pela secretaria de comunicação do Vaticano, apresentou, esta quarta-feira, a sua demissão do cargo na sequência da polémica gerada pela carta de Bento XVI revelada na semana passada.

A demissão foi revelada, em comunicado, pelo assessor de comunicação da Santa Sé, Greg Burke.

Na carta de demissão, divulgada pelo Vaticano, o responsável evoca as “muitas polémicas” dos últimos dias para justificar a sua decisão de deixar o cargo, a fim de evitar perturbações no “complexo e grande trabalho” de reforma em curso no setor.

O Papa Francisco já aceitou a demissão de Dario Viganò, conforme informa o boletim divulgado pelo Vaticano.

O monsenhor Dario Viganò será substituído interinamente pelo secretário do mesmo dicastério, o monsenhor Lucio Adrián Ruiz, até ser nomeado um novo prefeito. 

A carta que está na origem da polémica foi divulgada pelo Vaticano no passado sábado. A missiva, escrita pelo Papa emérito Bento XVI sobre o Papa Francisco, foi divulgada inicialmente com omissão de partes do texto e foi alvo de críticas por causa de uma manipulação digital com uma fotografia.

A parte da carta que não tinha sido divulgada explica o motivo pelo qual Bento XVI recusou escrever um comentário numa nova compilação de livros do Vaticano sobre a formação filosófica e teológica de Francisco e destinada a assinalar o quinto aniversário de pontificado do sucessor de Bento XVI.