Há momentos na vida de todos nós que não correm como planeado. Numa vida pública, a pressão mediática é certamente uma preocupação acrescida, especialmente, quando, nos dias tecnológicos em que vivemos, a lente afiada de um fotógrafo está sempre por perto.
 
Ora, é precisamente do disparo certeiro de máquinas fotográficas de repórteres de imagem atentos que alguns dos principais líderes mundiais se podem queixar. Disso, e verdade seja dita, de em muitos casos se colocarem «a jeito» de uma objetiva mais atrevida.
 
Que o diga George W. Bush que raramente perdia uma oportunidade para presentear os jornalistas com expressões inusitadas. Quer seja a tentar abrir uma porta fechada. 



Quer seja a tentar livrar-se de um bebé chorão. 



Mas há mais. O atrevimento será provavelmente característica que se adquire na presidência de um país. Caso contrário, não teríamos a imagem bem sugestiva de Barack Obama a «verificar» os atributos de uma jovem brasileira numa cimeira do G8.



Nos momentos embaraçosos de alguns dos mais mediáticos líderes mundiais há espaço para as imagens mais inusitadas: desde apertos de mão constrangedores, beijos acalorados ou apenas ameaçados, a gestos generosos mal interpretados, como o recente caso de Putin que colocou um cobertor sobre os ombros da primeira-dama chinesa. 
 


Com ou mais atrevimento, com ou mais sorte do fotógrafo, o certo é que muitos dos líderes políticos não se coíbem de rir de si próprios. Aceite o convite, veja a galeria de imagens, e sorria também.