Os islamitas egípcios apelaram esta terça-feira à desobediência civil contra os «golpistas» que afastaram do poder, em julho, o Presidente Mohamed Morsi e garantiram que vão continuar as iniciativas pacíficas de apoio ao chefe de Estado deposto.

A chamada Aliança para a Defesa da Legitimidade, que inclui a Irmandade Muçulmana e outros grupos, explicou em conferência de imprensa que a campanha de desobediência civil inclui o boicote a meios de comunicação que defendem o golpe militar.

A coligação apelou ao boicote a empresas e produtos de países que financiam o golpe militar, entre outras medidas aplicadas progressivamente. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait são alguns dos países que concederam ajuda financeira ao país (pelo menos 12 mil milhões de dólares) depois de Morsi ter sido deposto.