Cindy Crawford escreveu na rede social Instagram, que a notícia de que vai por fim à carreira na moda quando completar 50 anos, no dia 20 de fevereiro, não é totalmente verdadeira.

A supermodelo disse a semana passada, em entrevista à revista "United Airlines Rhapsody”, que “está na altura de seguir em frente” e deixar a carreira de manequim. Mas agora alerta que "nem todas as manchetes contam toda a história".

 

A modelo explica que não tomou nenhuma decisão radical e que a ideia da sua "aposentação" é uma piada na família há anos.

“Todos os anos, eu digo aos meus filhos, que vou reformar-me. É uma piada na nossa família. Mas em cada ano, surgem oportunidades que me entusiasmam”, escreve a modelo na rede social.

 

“Embora seja verdade que estou ansiosa por mudar de foco e concentrar-me nos negócios, nos amigos e na família – eu não estou a fazer nenhuma declaração final (nem todos as manchetes contam a história toda!)”, acrescenta.

 

“Adorei fazer parte da indústria da moda, nos últimos 30 anos - e se esse tempo me ensinou alguma coisa, é esta: nunca digas nunca", afirma ainda Cindy Crawford, dizendo-se animada para o que 2016 lhe reserva.

Cindy Crawford tornou-se uma das primeiras e das mais conhecidas supermodelos nos anos 1980 e 1990, a desfilar nas passarelas para Chanel, Christian Dior e Valentino.

A manequim afastou-se do trabalho de modelo a tempo inteiro há cerca de 15 anos, mas atualmente é o rosto da marca francesa Balmain, na campanha primavera / verão 2016,  juntamente com as colegas, as supermodelos veteranas Naomi Campbell e Claudia Schiffer.

A filha de Cindy Crawford, Kaia Gerber, segue as pisadas da mãe. A adolescente, de 14 anos, já assinou contrato com a agência IMG Models e destaca-se em sessões de fotos para a “Vogue Itália”.