A Beija-Flor de Nilópolis é a campeã do Carnaval do Rio de Janeiro este ano. A escola de samba, que encerrou os desfiles do Grupo Especial no Rio, recebeu 269,6 pontos e alcançou o 15.º título da sua história.

Em segundo lugar ficou Tuiuti com 269,5 pontos e, em terceiro lugar, os Académicos do Salgueiro, também com 269,5 pontos. A escola da Portela ficou em quarto lugar com 269,4 pontos.

O enredo da Beija-Flor, deste ano, era "Monstro É Aquele Que Não Sabe Amar (Os Filhos Abandonados da Pátria Que Os Pariu)", uma crítica à corrupção, desigualdade, violência, intolerâncias de género, raça, religião e desportiva. O desfile foi comandado por Neguinho da Beija-Flor e cantado a plenos pulmões pelos presentes na Sapucaí.

O desfile da Beija-Flor ficou marcado pela presença de Pabllo Vittar, que representou a luta contra a intolerância de género, e Jojo Todynho, que representou a intolerância racial. No enredo participaram ainda os atores Edson Celulari, que sambou no carro abre-alas, e Cláudia Raia, que foi destaque de chão como "a grande anfitriã de celebração da paz".

No final do desfile, a escola abriu a avenida ao público e transformou a Sapucaí num bloco de rua, com a multidão a cantar em coro o samba da Beija-Flor.

Antes da leitura das notas, a escola de samba Império Serrano foi punida em 0,2 ponto por ter terminado o desfile antes do tempo, e a escola Grande Rio, em 0,5, por ter terminado o desfile depois do tempo.