O presidente da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), Afonso Dhlakama, está de «ótima saúde» e mantém-se a gerir de perto as estruturas do partido.

Em declarações à Lusa no dia em que o diário estatal Notícias escreve que o líder da Renamo pediu ajuda «devido à degradação acentuada do seu estado de saúde», a dirigente do partido Ivone Soares «desmente categoricamente» os rumores.

«Ainda ontem falei horas a fio com o presidente Dhlakama e posso garantir que ele goza de ótima saúde», disse Ivone Soares, deputada no parlamento moçambicano.

«O presidente Dhlakama continua a orientar por teleconferência os membros do nosso partido que estão a trabalhar nas cidades e nos distritos, tal como faz desde que foi assaltada a sua residência em outubro de 2013», acrescentou Ivone Soares.

O diário Estatal Notícias refere na edição de hoje que «Dhlakama pode estar gravemente doente», dando conta de que na quinta-feira o líder da Renamo esteve a apenas alguns metros das posições das Forças de Intervenção Rápida, a cerca de 30 quilómetros da Gorongosa, no centro do país, e que pediu ajuda.