As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) vão deixar de usar o número de voo TM470/471 da rota Maputo-Luanda, «em respeito às 33 vítimas» do despenhamento, na sexta-feira, de um Embraer 190, anunciou a companhia.

A aeronave caiu numa floresta do norte da Namíbia, matando as 33 pessoas que seguiam a bordo, incluindo sete portugueses.

Em comunicado enviado à Lusa, a LAM indica que a carreira Maputo-Luanda deixará de ostentar o número de voo TM470/471, «em respeito pelos passageiros e pela tripulação que perderam a vida».

«O número de voo para esta rota passa a ser TM500 (Maputo - Luanda) e TM501 (Luanda - Maputo)», refere a nota.

Numa alusão às informações que têm sido divulgadas em vários órgãos de comunicação social nacionais e estrangeiros sobre o acidente, a transportadora de bandeira moçambicana pede contenção, enfatizando que está em curso um inquérito nacional e um outro internacional para a averiguação das razões do desastre.

«Acidentes aéreos são complexos e requerem paciência, conhecimento especializado em várias áreas e atenção especial a cada detalhe para se conseguir descobrir o que aconteceu e porquê. Especulações sobre as possíveis causas não ajudam e podem até prejudicar ou influenciar a investigação», dizem as LAM.

A comissão de inquérito internacional tem um prazo de 30 dias para apresentar os resultados preliminares sobre o sinistro.