O Governo moçambicano acusou a Renamo, maior partido de oposição, de violação do acordo de cessação de hostilidades, assinado em 05 setembro pelas duas partes, ao impedir a circulação de empreiteiros na região da Gorongosa.

«Foram registadas situações que transparecem haver violação dos acordos, onde empreiteiros foram impedidos de circular para os locais das obras, onde cidadãos foram barrados por postos de controlo da Renamo», disse hoje o chefe da delegação governamental, no final da 86.ª sessão de diálogo com o principal partido de oposição.

Segundo José Pacheco, a alegada violação dos acordos aconteceu na última semana em Vunduzi e na serra da Gorongosa, na província de Sofala, cenário dos confrontos militares durante 17 meses entre o exército e o braço armado da Renamo e que só terminaram formalmente a 05 de setembro, com um número desconhecido de vítimas.