O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiro participa esta terça-feira num encontro ministerial por motivo da Reunião Especial do Comité Contra-Terrorismo das Nações Unidas, em Madrid, para encontrar formas de travar o fluxo de combatentes terroristas estrangeiros.

A reunião de Madrid contará a presença de titulares dos Negócios Estrangeiros e dos Assuntos Internos de dezenas de países, entre Angola, Turquia, Iraque, Nigéria, Malta, Senegal, Marrocos, Reino Unido, Sérvia, Geórgia, Bósnia-Herzegovina, Mali, Egipto e Roménia. Os Estados Unidos estarão representados ao nível de vice-ministro.

“Será uma oportunidade para Portugal reiterar o seu empenho na condenação e no combate a todas as formas de terrorismo e participar dos debates sobre como travar o fenómeno dos combatentes terroristas estrangeiros”, disse à agência Lusa fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros português.


Durante a intervenção, Rui Machete irá abordar quatro pontos “essenciais para Portugal”, a começar por uma “condenação de todas as formas de terrorismo, em especial do terrorismo globalizado, tal como o perpetrado pelos criminosos terroristas do DAESH [acrónimo árabe do intitulado Estado Islâmico]”.

Também vai “alertar para o facto de o terrorismo à escala global ter um impacto forte na desestabilização dos Governos e das sociedades”, representando uma ameaça para as economias e o desenvolvimento social e “impedindo o pleno gozo de todos os direitos humanos”.

Além de focar a necessidade de “travar o fluxo dos combatentes terroristas estrangeiros” e “monitorizar o seu regresso aos países origem”, o responsável da diplomacia portuguesa salientará o “combate e a prevenção” da radicalização dos jovens.

“A ‘conquista das mentes’ tem de passar necessariamente pelo diálogo inter-religioso, pela educação e o emprego dos jovens, por um maior e melhor papel das mulheres nas sociedades”, realçou a mesma fonte do MNE.


O país anfitrião, a Espanha, identificou 125 dos seus cidadãos a deslocarem-se para zonas de conflito. Atualmente a Espanha encontra-se em estado de alerta alto (grau 4 em cinco níveis) para ataques terroristas, o que implica proteção especial a instalações e a possibilidade de intervenção de militares.

Segundo os dados do Conselho de Segurança da a ONU, com base em diferentes relatórios, os combatentes terroristas estrangeiros em todo o mundo ascender a entre 25 e 30 mil em todo o mundo.

O presidente do Governo de Espanha, Mariano Rajoy, participará no início dos trabalhos, que decorrem no Palácio Real de El Pardo, nos arredores de Madrid.