Alguns países retiraram os seus representantes da missão da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação da Europa) da Ucrânia. Andrei Kelin, embaixador da Rússia, informou, esta quarta-feira, que esta retirada é justificada pelo agravamento do conflito armado nas regiões orientais do país.

«Parte dos observadores foram retirados da região de Donetsk por motivos de segurança», disse Kelin, à agência Interfax e adiantou que «alguns países ocidentais colocaram novas exigências para a estadia dos seus observadores».


A OSCE denunciou uma «deterioração significativa» da situação em Donetsk e realçou que a zona mais perigosa é a do aeroporto, que é controlada pelos separatistas pró-Rússia.

A «gota de água» foi o ataque a um autocarro, no leste, na terça-feira, em que morreram 11 civis. 

A missão de observação da OSCE para o leste da Ucrânia denunciou um «aumento notável das violações de cessar-fogo».

Os observadores da OSCE voltarão à Ucrânia quando a situação estiver estabilizada.