Pelo menos 12 pessoas morreram e dezenas encontram-se desaparecidas após o naufrágio, no domingo, de um barco que transportava refugiados rohingya em fuga de Myanmar, anunciou hoje a guarda costeira do Bangladesh.

Havia perto de uma centena de pessoas a bordo”, indicou Alauddin Nayan, responsável da guarda costeira, à agência noticiosa francesa AFP, que disse que as vítimas mortais são "dez crianças, uma idosa e um homem".

Da centena de passageiros, menos de 40 são adultos, “o resto são crianças”, acrescentou.

O novo naufrágio ocorreu na noite de domingo não longe da aldeia costeira de Galachar, no golfo de Bengala, onde os rohingya, minoria muçulmana apátrida, considerada pela ONU como uma das mais perseguidas do planeta, enfrentam há semanas um mar agitado na tentativa de fugir da onda de violência na Birmânia.

A ONU elevou no domingo para 519.000 o número de rohingya que chegaram ao Bangladesh em fuga de Myanmar desde 25 de agosto, na sequência de um ataque de um grupo rebelde desta minoria muçulmana às instalações policiais e militares no estado ocidental de Rakhine, uma ação a que o exército respondeu com uma ofensiva que ainda prossegue.

O governo birmanês assegura que a violência foi desencadeada por "terroristas rohingya", mas o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos classificou a operação militar como "limpeza étnica".